sexta-feira, 8 de março de 2013

That’s such a pretty name... *

*Imagens: Reprodução

Parabéns a nós, Sereias! 
Para o dia de hoje, resolvi falar de uma personalidade que, ultimamente, tem participado muito dos meus dias. (Ainda mais quando esses dias incluem viagens intermináveis =P)


De forma inusitada surgiu Norah Jones, cantando docemente sentada ao piano. A americana é uma das artistas que mais se destacaram na música nesta década. Pianista talentosa, vocalista estimável e compositora promissora, Norah traz como proposta o jazz fundido com o pop tradicional, folk, blues... um ~jazz-pop~. 
Geetali Norah Jones Shankar, filha do falecido músico indiano Ravi Shankar, nasceu em 30 de março de 1979, Brooklyn, Nova Iorque.
E foi criada no subúrbio de Dallas, Texas, junto à mãe, Sue Jones, dona de uma invejável coleção de vinis de Billie Holiday. Sua interesse por música despertou logo cedo. Embora também tenha muita influência paterna, ela cresceu longe do pai.
Aos 5 anos de idade já soltava a voz em corais de igreja e, com 7, começou a ter aulas de piano. Aos 16, fez seu primeiro show, em um pequeno café, interpretando "I'll Be Seeing You" de Billie Holiday. 
Na University of North Texas, ela se graduou em jazz piano. Em 1999, ela deixou o Texas e retornou a Nova Iorque em busca de oportunidades. Começou a compor suas canções e, ao longo de um ano, se apresentou com a banda "Wax Poetic". 
Logo resolveu montar seu próprio grupo com Jesse Harris, Lee Alexander e Dan Rieser.
Seu trabalho de estréia, "Come Away With Me"(2002), impulsionou sua carreira. O álbum, que mistura jazz, soul, country e folk-pop, lhe rendeu 8 prêmios Grammy, entre eles o de "Melhor Álbum" e o de "Melhor Artista Revelação". 
Em seu segundo trabalho, "Feels Like Home" (2004), ela optou por uma tendência country. No ano seguinte, Norah angariou três estatuetas no Grammy, duas por sua participação, ao lado de Ray Charles, no single "Here We Go Again".
Se o terceiro álbum, "Not Too Late" (2007), não trouxe muitas surpresas, Norah inovou estreando como protagonista em "Um Beijo Roubado" (My Blueberry Nights). Filme de Wong Kar-wai que abriu o festival de Cannes. 
Em 2009, temos "The Fall", uma fusão de rock com soul music, produto de uma alma inquieta. 
A coletânea "...Featuring" foi lançada em 2010, mostrando que Norah Jones possui uma voz versátil e trazendo parcerias e colaborações com artistas diversos, incluindo Ray Charles, Willie Nelson, Outkast, Belle And Sebastian e Foo Fighters. 
Finalmente, chegamos a 2012 e a "Little Broken Hearts", minha paixãozinha. Novo e impressionante estilo musical, consistente e intrigante, com canções originais. Algo triste e contemplativo, um clima noir, que expõe a fascinante evolução artística de Norah.

Projetos Paralelos (haja fôlego!):

*The Little Willies:

Devota declarada de Willie Nelson, em 2003, Norah montou uma banda para tocar clássicos country, "The Little Willies". O grupo apresenta versões próprias de músicas de Willie Nelson e outros ícones da música country. 

*El Madmo:

Banda de rock alternativo, com influências que vão do jazz ao indie rock. 

*O título vem de um verso da música "Miriam", que eu amo (!), mesmo com a letra vingativa e malvada! *.*


Vocês curtem Norah? Qual sua canção preferida?

Beijim,

kmi

Um comentário :

Obrigada pela visita, fiquem a vontade para comentar e sugerir!
e-mail: sereiasafogadas@gmail.com
twitter: @kmioliveira

Beijim,

kmi