sábado, 2 de junho de 2012

Cry, Baby...

Essa semana assisti um filme que entrou para a minha lista de ~choráveis - tempo integral~, juntamente  com "Antes de Partir", "P.S. Eu te amo" e "Lado a Lado", para citar alguns.

*Imagem: Reprodução
Um Olhar no Paraíso (The Lovely Bones - 2009)
Diretor: Peter Jackson
Com: Rachel Weisz, Mark Wahlberg, Saoirse Ronan, Stanley Tucci, Susan Sarandon

O filme é baseado no romance de Alice Sebold, "The Lovely Bones/Uma Vida Interrompida" e conta a história de uma adolescente de 14 anos, que após ser brutalmente estuprada e assassinada, assiste, do paraíso/purgatório (?), sua família e seus amigos continuarem suas vidas, além de observar seu assassino planejar um novo assassinato.

"6 de dezembro de 1973. Norristown, Pensilvania, subúrbio da Filadélfia. Susie Salmon (Saoirse Ronan) está voltando para casa quando é abordada por George Harvey (Stanley Tucci), um vizinho que mora sozinho. George a convence a entrar em um retiro, por ele construído. Lá dentro, Susie é assassinada. Os pais de Susie, Jack (Mark Wahlberg) e Abigail (Rachel Weisz), inicialmente se recusam a acreditar na morte da filha, mas precisam aceitar a situação quando seu gorro é encontrado em meio a um milharal, junto a destroços do retiro que estão repletos de sangue. Em meio às investigações, a polícia conversa com George mas não o coloca entre os suspeitos. Com o tempo Jack e Lindsey (Rose McIver), a irmã de Susie, passam a desconfiar de George. Toda esta situação é observada por Susie, que agora está em um local entre o paraíso e o inferno. Lá ela precisa lidar com o sentimento de vingança que nutre em relação a George e a vontade de ajudar sua família a superar o trauma de sua morte." (Fonte: Adoro Cinema)

A menina morta é a narradora e dona de uma franqueza brutal. 
O filme nos deixa (ok, me deixou) tensos, mesmo já sabendo o que vai acontecer. O suspense das cenas que precedem a morte de Susie, o depois, o momento que ela começa a perceber que deve sair do refúgio...
A morte de Susie atua como um divisor da trama, assumindo a partir do episódio, não para menos, um tom rancoroso.
A narrativa vai se abrindo e aos poucos até nos mostrar como a tragédia maior, vai alimentando as tragédias individuais que começam a minar o núcleo familiar. Notamos como o enredo que une/separa as pessoas é frágil e complexo.
Um grande elenco (minha humilde opinião de fã de Susan Sarandon, ad eternum e admiradora de Rachel Weisz desde o 'tititi-ti-ti' - fala em "A Múmia"), com merecido destaque a Stanley Tucci. Saoirse Ronan, a pirralhinha perfeita de Desejo e Reparação, me fez chorar horrores desta vez!
Achei muito interessante e tocante a forma como a morte é apresentada pelo filme, apesar de passar a maior parte dele com dó da menina e tudo o que ela não viveu e do desmoronar da rotina de uma banal e feliz família da década de 70. Ah, também confesso que achei tosquice desnecessária a última cena de Susie e o Mouro. WTF?
Enfim, não achei que seja um filme genial, mas, inteligente, comovente, interessante e instigante. Ah, e, altamente chorável! hehehe

Vocês já assistiram? Pretendem assistir? E o que acharam?


Beijim, 

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Obrigada pela visita, fiquem a vontade para comentar e sugerir!
e-mail: sereiasafogadas@gmail.com
twitter: @kmioliveira

Beijim,

kmi